Notícia Anterior Próxima Notícia

O funcionamento do Programa de Empréstimos da Visão Prev

Ninguém está livre de ter uma despesa inesperada em algum momento da vida. Ou de precisar investir um recurso extra para uma reforma ou um curso de aperfeiçoamento profissional. Nessas situações, pode ser uma boa ideia conhecer as regras do Programa de Empréstimos oferecido pela Visão Prev. Veja a seguir:

Quem pode usar o Programa?

O Programa está disponível apenas para participantes ativos e assistidos, pois sua condição permite o desconto das parcelas diretamente em folha (para os ativos, em seu salário na patrocinadora, e para os assistidos, em seu benefício mensal). É exigido também um ano de vinculação ininterrupta ao plano. A solicitação deve ser feita online na área restrita do site da Visão Prev.

Quais os limites de crédito?

Para os participantes ativos, o limite é o menor valor entre 8 vezes o salário nominal ou 75% da reserva resgatável, excluindo os débitos como IRRF e considerando a margem consignável de 20% do salário nominal.

Para os assistidos dos planos Visão Telefônica, Visão Multi e PreVisão, o limite é o menor valor entre 8 vezes o benefício mensal ou 75% da reserva resgatável, excluindo os débitos como IRRF e considerando a margem consignável de 20% do benefício.

Para os assistidos do plano Telefônica BD, o limite é 8 vezes o benefício mensal, considerando a margem consignável de 20% do benefício.

É permitido ter até 4 contratos de empréstimos simultâneos, com intervalo mínimo de 6 meses entre eles. Participantes inadimplentes ou com o contrato de trabalho suspenso não podem solicitar empréstimo.

Em caso de saque adicional para os assistidos com empréstimos ativos, o mesmo percentual do saque será amortizado do saldo devedor.  

Como são feitos os créditos?

Os créditos são realizados duas vezes por semana, às terças e sextas-feiras, conforme calendário publicado no site da Visão Prev (clique aqui).

Os pedidos feitos às quartas e quintas-feiras são creditados na terça-feira seguinte. Nos demais dias (sexta, sábado, domingo, segunda e terça), o crédito ocorre na sexta-feira posterior.

As solicitações não são garantia de concessão do empréstimo, pois dependem de análise de crédito.

Como é a análise para concessão do crédito?

Para os participantes ativos, a análise consiste em consulta do CPF nos órgãos de proteção ao crédito e confirmação junto às patrocinadoras da margem consignável disponível para desconto em folha.

Para os assistidos, é avaliado se a solicitação do empréstimo condiz com a evolução do pagamento do benefício nos seguintes aspectos:

O prazo do recebimento estimado do último benefício deverá ser, no mínimo, 6 meses maior do que o prazo de pagamento da última parcela do empréstimo solicitado.

A parcela de empréstimo não pode comprometer a margem consignável mensal do participante, considerando não apenas o valor do benefício no momento da concessão, mas também sua estimativa durante todo o período de vigência do contrato de empréstimo.

Por que o prazo pode aumentar ou diminuir para os contratos pós-fixados?

Isso acontece somente nos empréstimos concedidos até 20 de janeiro de 2017, quando as taxas de juros utilizadas eram pós-fixadas (agora, as taxas são prefixadas). A modalidade pós-fixada acarretava alterações dos valores de amortização dos empréstimos conforme a oscilação do INPC, o que podia impactar o prazo de pagamento. No momento da contratação do empréstimo, a parcela era fixada com a taxa do INPC vigente e, como há variação mensal desse indicador (para mais ou para menos), os juros automaticamente variavam e, por consequência, também o valor amortizado, ocasionando mudança no prazo de contratação que poderia aumentar ou diminuir.

Qual o impacto de uma amortização no contrato?

Nos contratos prefixados, haverá recálculo do valor da parcela no mês posterior ao mês da amortização, ou seja, o prazo de contratação permanece o mesmo e o valor da parcela diminui. Nos contratos pós-fixados, pode ocorrer diminuição no prazo de contratação, contudo isso irá depender da variação do INPC até a liquidação total do empréstimo.

Há desconto para quitações antecipadas?

Não, pois o saldo devedor é atualizado diariamente pela taxa de juros contratada. Sendo assim, a quitação ocorre com o valor do saldo vigente e o participante deixa de pagar os juros das parcelas futuras.

Antes de pedir um empréstimo...

Confira essas 4 dicas do diretor de Investimentos da Visão Prev, Gustavo de Castro Araujo:

1- Em princípio, empréstimos não devem ser contraídos para cobrir “buracos” no orçamento mensal. É importante que o participante esteja sempre atento às suas receitas e gastos, fazendo um controle sistemático para adequar seu orçamento e seu planejamento financeiro.

2- O empréstimo deve ser uma alternativa para um investimento específico (como a reforma de um apartamento) ou eventos não planejados que gerem descontrole pontual (como gastos inesperados com saúde). Seu valor precisa ser imediatamente incorporado ao planejamento financeiro, de tal forma que ele considere as parcelas a pagar.

3- Antes de mais nada, o participante deve avaliar sua situação financeira atual para identificar de que modo o empréstimo se encaixa nela, lembrando que, ao contrair uma dívida, uma parte de sua renda futura será comprometida até que o valor seja quitado. É necessário também analisar as alternativas disponíveis (especialmente em relação ao custo com o pagamento de juros, impostos e outras taxas) e o prazo de quitação que melhor se ajuste à sua realidade.

4- Em alguns casos, pode ser relevante avaliar a contratação de um empréstimo se o participante tiver dívidas com juros muito mais altos ou condições menos favoráveis. Nesse caso, o novo empréstimo pode ajudar a quitar a dívida mais cara, visando sempre a retomada do equilíbrio financeiro.

Notícia Anterior Próxima Notícia